Fujitsu cria novo supercomputador de AI com base em 24 sistemas NVIDIA DGX-1

by singteam

A Fujitsu está usando 24 sistemas de AI NVIDIA DGX-1 para ajudar a criar um supercomputador para o RIKEN, o maior instituto de pesquisas do Japão, para realizar pesquisas de deep learning.

A maior instalação de sistemas DGX-1 em clientes até hoje, esse supercomputador vai acelerar a aplicação de AI para resolver desafios complexos na saúde, na indústria e na segurança pública.

“O DGX-1 é como uma máquina do tempo para os pesquisadores de AI”, diz Jen-Hsun Huang, fundador e CEO da NVIDIA. “As empresas, os centros de pesquisa e as universidades de todo o mundo estão adotando o DGX-1 para aproveitar a onda do deep learning, a tecnologia revolucionária que está no cerne da revolução da AI.”

O RIKEN Center for Advanced Intelligence Project usará o novo supercomputador, que está programado para ser ativado no mês de abril com o objetivo de acelerar pesquisas de AI em diversas áreas, entre elas medicina, saúde, industrial e preparação para desastres.

“Acreditamos que o sistema com tecnologia NVIDIA DGX-1 vai acelerar a implementação das tecnologias mais atuais de AI no mundo real, assim como a pesquisa de algoritmos de AI de última geração”, afirma Arimichi Kunisawa, coordenador da unidade Technical Computing Solution da Fujitsu Limited. “A Fujitsu aproveita sua ampla experiência no desenvolvimento de computadores de alto desempenho e em pesquisas de AI para dar suporte à P&D que utiliza esse sistema, contribuindo para criar um futuro no qual a AI é usada para encontrar soluções para diversos problemas sociais.”

RIKEN AIP Supercomputer - Built on NVIDIA 24 DGX-1's
Vinte e quatro sistemas de IA NVIDIA DGX-1 alimentam o novo supercomputador do RIKEN no Japão. Imagem cedida pela Fujitsu Ltd.

As arquiteturas convencionais de computação de alto desempenho (HPC) estão se revelando muito dispendiosas e ineficientes para atender às necessidades dos pesquisadores de AI. Por isso, empresas como a Fujitsu e clientes como o RIKEN buscam novas soluções baseadas em placas de vídeo que reduzem o custo e o consumo de energia, ao mesmo tempo que aumentam o desempenho.

Cada DGX-1 combina a potência de 8 placas de vídeo NVIDIA Tesla P100 com um conjunto integrado e otimizado para estruturas de deep learning, proporcionando o desempenho de 250 servidores x86 convencionais.

O sistema apresenta diversas inovações tecnológicas exclusivas do DGX-1, como:

  • Estruturas de deep learning em contêineres, otimizadas pela NVIDIA para proporcionar o treinamento máximo de deep learning acelerado para placas de vídeo.
  • Melhor desempenho e escalabilidade para várias placas com NVIDIA NVLink, reduzindo o tempo para fazer descobertas.
  • Uma arquitetura integrada de hardware e software otimizada para deep learning.

O supercomputador usará ainda 32 servidores Fujitsu PRIMERGY, os quais, combinados aos sistemas DGX-1, impulsionarão o desempenho de processamento teórico total para 4 petaflops ao realizar cálculos de ponto flutuante de precisão binária.